Como a Finlândia tem preparado o seu ensino para o século XXI?

A Finlândia tem sido conhecida mundialmente pela qualidade de sua educação e sempre é muito bem posicionada nos rankings de classificação do campeonato internacional de educação.

Agora o país está repensando a forma como ele ensina na era digital – buscando colocar habilidades, tanto quanto assuntos, no cerne do que faz. Mas nem todos estão felizes, e temem que isso possa fazê-a cair no ranking.

Uma situação interessante para ilustrar o assunto que estou abordando:

Estamos em manhã fria típica em uma aldeia remota no sul da Finlândia, mas  das crianças de 12 anos estão com os pensamentos em outro lugar – na Roma antiga. A professora está levando as crianças, através de um vídeo editado – mostrada no quadro inteligente e interativo da sala de aula – ao dia em que o Monte Vesúvio entrou em erupção e destruiu a cidade de Pompeia.

Em grupos, eles tiram seus mini-laptops. A tarefa de todos é comparar a Roma antiga com a Finlândia moderna. Um grupo analisa os banhos romanos e os spas luxuosos de hoje; outro coloca o Coliseu contra os estádios modernos, as novas arenas esportivas.

Eles usam impressoras 3D para criar uma miniatura do edifício romano, que será  usado  depois como uma das peças para um jogo de tabuleiro em toda a classe.

Esta é uma lição de história com o novo método de ensino.  Mas reparem, as crianças também estão ganhando habilidades em tecnologia, pesquisa, comunicação e compreensão cultural.

Cada grupo está se tornando um especialista em seu assunto, que eles apresentarão para a aula. O jogo de tabuleiro é o ponto culminante do projeto, que funcionará ao lado do ensino normal na sala de aula.

Os professores não se preocupam dos alunos usarem telefones celulares na sala de aula; entende-se que é uma oportunidade para que as crianças apreciem seu valor como uma ferramenta de pesquisa, não apenas como meio de comunicação com seus amigos.

Por quase duas décadas, a Finlândia tem uma reputação de ter um dos melhores sistemas educacionais do mundo. Os alunos de 15 anos  regularmente se classificam entre os melhores da lista da liga global de PISA, para leitura, matemática e ciência.

A sua capacidade de produzir resultados acadêmicos de alto nível, mesmo  que  para os olhos do ensino atual no Brasil, se estranhe que as crianças não iniciam a escolaridade formal até aos sete anos de idade, têm dias escolares curtos, férias longas, deveres de casa quase que inexistentes e sem provas e exames, há  muito tem fascinado especialistas em educação em todo o mundo.

Apesar disso, a Finlândia está chacoalhando o jeito tradicional de educar – um movimento que diz que é vital em uma era digital onde as crianças não dependem mais dos livros e da sala de aula para adquirir conhecimento.

Em agosto de 2016 tornou-se obrigatório para cada escola finlandesa ensinar de forma mais colaborativa; para permitir aos alunos escolher um assunto relevante para eles e assuntos básicos em torno dele. O uso inovador de tecnologia e fontes fora da escola, como especialistas e museus, é parte fundamental disso.

Elementos essenciais para aprendizagem baseada em projetos

O objetivo desta forma de ensino – conhecido como aprendizagem baseada em projetos ou fenômenos (PBL – Project Based Learning ou Ensino Baseado em Projetos – ou problemas – em português) – é equipar as crianças com habilidades necessárias para florescer no século 21 . Entre as habilidades que escolhe, é fundamental o pensamento para identificar notícias falsas e evitar a ciber-bullying  além da capacidade técnica para instalar o software anti-vírus e conectar-se a uma impressora.

Há muitos entusiastas sobre PBL e pela procura de diversas formas de integrá-lo no currículo da escola. A ideia dá maior autonomia para as escolas. A diretora determina ou sugere os projetos ou fenômenos e negocia com os professores para que haja tempo e espaço no cronograma para que eles aconteçam.

Aparentemente os professores têm mais poder dessa maneira, mas com limites:  não podem fazer tudo. Algumas tradições de ensino antigas estão sendo deixadas  para trás, mas propositalmente de forma lenta – o trabalho de ensinar filhos que são cidadãos é muito importante e não se pode errar.

Há uma preocupação também em não se ampliar o espaço entre os alunos de maior rendimento com o de menor rendimento – aliás, essa diferença que tem sido historicamente pequena na Finlândia.

Mas apesar de tudo, a ideia por trás do aprendizado baseado em fenômenos tem seus críticos. Alguns  temem que não forneça às crianças uma base sólida suficiente em um assunto para que possam estudá-lo em um nível mais alto. Mas o que se percebe é que há uma grande vontade de se acertar.

Uma experiência nesse modelo em Lieto  há relatos de que uma turma de crianças  que entrou nas aulas de matemática de nível avançado pós-16, cerca de 30% deles tiveram que voltar um nível.

As perguntas não precisam ser simples para se obter uma resposta definitiva. Uma análise mais profunda pode se fazer a respeito. Se o nível avançado de referência em matemática no modelo antigo pode ser usado como comparação para as reais necessidades da matemática para grande parte desses alunos.

No Brasil temos críticas na matemática, por exemplo, sobre a necessidade da fórmula de Bhaskarano ensino fundamental ou médio. Se mudarmos nossa forma de ensinar, usando como referência os fatos dia-a-dia e daí concatenarmos com as matérias obrigatórias, pode acontecer dessa fórmula nunca ser utilizada em economia doméstica, finanças simples ou até mesmo em cálculos de física para construção e programação de robôs em sala de aula. O que não quer dizer que se aprendeu menos matemática. A comparação é com modelo descontinuado, e não com as novas perspectivas.

Um grande projeto no ano passado em uma das escolas no interior da Finlândia  foi sobre o tema da imigração, quando o fluxo de migrantes para a Europa estava nas manchetes em todo o mundo em uma escola do interior da Finlândia.

Aleksis Stenholm, o professor, diz que escolheu o tema porque ficou claro que muitos de seus alunos tinham pouca experiência pessoal de imigrantes e imigrantes. O tema foi incorporado às aulas de alemão e de religião.

Seus jovens de 15 anos realizaram pesquisas de rua para obter opiniões locais sobre imigração e visitaram um centro de imigrantes nas proximidades para entrevistar os requerentes de asilo. Eles compartilharam suas descobertas via link de vídeo com uma escola na Alemanha, que realizou um projeto similar. Os resultados desse projeto? Em declaração Aleksis Stenholm resume a experiência com as seguintes declarações:

“Foi realmente poderoso, como os alunos reagiram a isso. Eles começaram a pensar sobre as coisas, questionando suas opiniões. Se eu tivesse acabado de ensinar isso, digamos, o curso de três lições, o efeito teria sido muito diferente. (Aleksis Stenholm)”

Mas há algum pontos que não podem ser desconsiderados nessa mudança, principalmente na transição.

Há uma corrente que entende que esta maneira de ensinar é excelente para as crianças mais brilhantes que entendem o conhecimento que precisam para tirar de uma experiência. Isso lhes permite a liberdade de aprender a seu próprio ritmo e dar os próximos passos quando estão prontos. Mas junto com essa afirmação, essa mesma corrente tem suas preocupações. Porque no caso de se tentar olhar para crianças que se apresentam no momento do aprendizado menos capazes de descobrir por si mesmas e precisam de mais orientação, nesse ponto de vista, o fosso entre os mais brilhantes e os menos capazes parece ter aumentado, e há  muito medo de que isso realmente piore.

Também há a preocupação crescente com a carga de trabalho dos professores e claro, a dificuldade de professores mais velhos que podem não ser tão integrados ao mundo digital quanto seus colegas mais jovens.

Tradicionalmente, a aprendizagem foi definida como uma lista de assuntos e fatos que você precisa adquirir – como a aritmética e a gramática – com algum complemento  como a cidadania, construída em torno dela. Mas quando se trata da vida real, nosso cérebro não é dividido em disciplinas dessa maneira, estamos pensando de forma muito holística. E quando você pensa sobre os problemas no mundo – crises globais, migração, economia, postagem –  na verdade nós realmente não damos a nossos filhos as ferramentas para lidar com esse mundo inter cultural.

Podemos afirmar hoje que é um grande erro levarmos as crianças a acreditar que o mundo é simples e que, se eles aprendem certos fatos, eles estão prontos para viver no mundo. Então, aprender a pensar, aprender a entender, essas são habilidades importantes  e que também fazem a aprendizagem divertida, interessante e na prática é o que, se entende por lá, que promove o bem-estar .

“Tipos similares de aprendizado foram experimentados no passado – há 100 anos atrás – e falharam.” Jari Salminen, da Faculdade de Educação da Universidade de Helsinki,

“Muitos visitantes internacionais estão me perguntando, por que você está mudando esse sistema quando obtém bons resultados? E é um mistério para mim, porque não temos dados do nível escolar que a aprendizagem baseada em fenômenos está melhorando os resultados”. Salminen diz.

Anneli Rautiainen, da agência nacional da Finlândia para educação, aceita que há preocupações e diz que estão introduzindo as mudanças gradualmente: as escolas só precisam fornecer um desses projetos PBL para seus alunos por ano.

“Queremos encorajar os professores a trabalhar dessa maneira e às crianças experimentá-lo, mas estamos começando lentamente. Ainda há assuntos a serem ensinados e objetivos a serem alcançados para cada assunto, mas também queremos que as habilidades sejam incorporadas a isso aprendendo ”

“Nós não estamos muito interessados em métricas neste país em geral, então não estamos planejando medir o sucesso disso, pelo menos não por enquanto. Esperamos que ele mostre nos resultados de aprendizagem de nossos filhos, bem como nos rankings internacionais como Pisa ”

Anneli Rautiainen – Agência nacional da Finlândia para educação

O que é incomum nas escolas finlandesas?

  • Ensinar é uma profissão altamente respeitada e bem remunerada
  • Não há inspeções escolares ou avaliações de professores
  • O sistema escolar é altamente centralizado e a maioria das escolas é financiada publicamente
  • Os dias escolares são curtos e as férias de verão são 10 semanas
  • As crianças são avaliadas pelos professores. O único exame nacional é para aqueles que continuam estudando para 18
  • O tamanho médio da escola é de 195 alunos; O tamanho médio da turma é de 19 alunos
  • O sucesso foi atribuído a uma consideração tradicionalmente elevada pelo ensino e a leitura, bem como por uma pequena população, em grande parte homogênea
  • Apesar de ainda alta, a Finlândia vem deslizando os rankings de Pisa nos últimos anos
  • Como outras nações, enfrenta desafios de restrições financeiras e crescente imigração
  • Embora nem todos estejam convencidos por esta revolução no ensino finlandês, o maior número de alunos e pais da Hauho recebeu a aprovação.

Quando apresentadas as mudanças para os pais dos alunos, relata-se que que a maioria dos pais que conhece, que é apresentado ao modelo novo, tem respostas positivas sobre as mudanças no currículo. Houve uma discussão mais ampla sobre a necessidade de garantir que as crianças ainda aprendam os fatos básicos, mas aumentar a motivação e tornar o mundo mais interessante também é importante. A escola pode ser divertida ao ensinar, e isso não pode ser ruim.

No Reino Unido há alguns relatos de se tentar implementar essa filosofia de ensino. Segundo  Tom Bennett, o conselheiro de comportamento da sala de aula do governo, afirmou que já estão em algumas escolas mas em uma escala muito menor que a prevista para a Finlândia. E é provável que continue assim já que segundo o conselheiro,  não há provas convincentes de que seja uma maneira mais eficiente de ensinar.

Por lá, a Fundação da Fundação para a Educação (EEF) financiou um teste em escolas do PBL que envolveu crianças de 7 anos no ensino médio em 24 escolas do Reino Unido entre 2014 e 2016.

As análises não foram muito bem evidenciadas, porque um grande número de escolas abandonou o estudo, em grande parte devido ao alto nível de suporte gerencial e mudanças organizacionais necessárias.

O teste não encontrou evidências de que o PBL tivesse um impacto positivo na alfabetização dos alunos ou no seu envolvimento com a escola e aprendizagem, segundo a EEF.

No entanto, os avaliadores independentes descobriram que – a partir de observações e comentários das escolas –  o PBL poderia melhorar as habilidades dos alunos em comunicação, trabalho em equipe e estudo autogestionado.

No Brasil

No Brasil o PBL tem iniciativas isoladas no ensino fundamental e médio em escolas privadas, mais caras. Em algumas faculdades há a implantação desses métodos, dada sua especialização, mas apesar de haver muitos artigos e TCC de cursos de Pedagogia, Filosofia, Ciências Sociais que analisam esse método de ensino, mas não se identificou ainda, nos dias de hoje, uma política pública universal,  uma corrente dominante colocando de forma mais abrangente a execução e/ou implantação nas escolas com apoio do Governo  Federal ou Estadual. Há tentativas isoladas no nível municipal.

Como nosso sistema educacional no ensino fundamental é híbrido (particular e público) mas sendo o público hoje ameaçado com a limitação orçamentária, sem aumento real por lei pelos próximos 20 anos, não se espera, na esfera federal, grandes revoluções com as essas leis vigentes. A área privada de ensino tem mais possibilidades, mas fora do alcance da maioria da população. Mas nada mais fará que aumentar o já abismo de formação entre as crianças de mesma idade no mesmo pais.

Mudanças como essa necessitam recapacitação, maior dinamismo e integração de diretoria e corpo docente. Mudança de diversos paradigmas. Mas em nossa realidade, além da limitação orçamentária, estamos no país discutindo projetos como “escola sem partido” que impossibilita de cara a implantação do PBL, uma vez que os problemas não podem ser encarados de forma sincera, aberta e transparente sobre situações reais, da cidade, do estado e do país dentro de sala de aula.

Você também pode gostar...

English EN Portuguese PT Spanish ES