Polônia mostra o segredo das quase 3 décadas de crescimento: inovação

Polônia está a caminho de se tornar um dos grandes centros da Europa de startups de tecnologia fazendo frente aos já  consolidados da Irlanda, Finlândia, Estônia e Dinamarca.  E nessa perspectiva, o apoio aos investimentos em novas tecnologias, novos produtos e serviços, tem transformado a Polônia e feito ela crescer de forma robusta e constante há quase 3 décadas. 

Breve histórico

Vinte e cinco anos atrás, os acontecimentos na Polônia desencadearam mudanças que varreram a Europa Central e Oriental, resultando em enormes transformações econômicas e políticas. À medida que a economia polonesa emergiu de décadas de controle estatal, as indústrias foram privatizadas e a concorrência baseada no mercado foi introduzida, seguida por reformas dolorosas. Em poucos anos, o PIB e os padrões de vida da Polônia começaram a subir significativamente, à medida que o país iniciava uma trajetória de crescimento que não terminava. A adesão à União Europeia em 2004 confirmou o sucesso do esforço da Polônia e indicou uma trajetória de desenvolvimento que levava ao nível das economias mais avançadas da Europa.

Crescimento mesmo com a crise Global de 2008/2009

Nas últimas quase 3 décadas, a economia polonesa dobrou de tamanho, medida pelo PIB real. No que diz respeito ao PIB per capita, a Polônia passou de 32% para 60% da média da Europa Ocidental (UE-15), 1 enquanto o crescimento anual do PIB foi de 4,6% entre 1991 e 2008. A Polônia foi o único país da UE a evitar a recessão, resultado da crise financeira global e é hoje a oitava maior economia da UE. Sua impressionante história de crescimento há mais de duas décadas deixou o país, por muito tempo uma economia européia marginal, pronta para se tornar um motor de crescimento regional.

O país também conseguiu melhorar seu ambiente de negócios. No mais recente ranking do Doing Business, a Polônia ficou em 25º lugar no ranking mundial, subindo da 76ª posições em 2009. Isso mesmo: subiu 51 posições!

Taxa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto / GDP em Inglês) da Polônia desde 1994 até junho de 2018 por trimestre.

O Banco Mundial em abril, por exemplo, elevou sua previsão para o crescimento do produto interno bruto da Polônia em 2018 para 4,2 por cento, ante 4,0 por cento no início do ano, com a expansão deve ser impulsionada pelo consumo privado e pelos investimentos.

“O crescimento econômico em 2018 na Polônia deverá atingir 4,2%, comparado a 4,6% no ano passado. Olhando para o futuro, a economia polonesa provavelmente crescerá em menos de 4% – com previsão de crescimento de 3,7% em 2019 e 3,5% em 2020 ”, disse o banco.

“O desemprego recorde baixo está estimulando aumentos salariais e apoiando o consumo. Além disso, os investimentos estão em alta ”, disse Carlos Pinerua, gerente nacional do Banco Mundial para a Polônia e para os países bálticos, segundo o comunicado do banco.

O relatório do Banco Mundial

Na pesquisa do relatório feito pelo Banco Mundial (World Bank), foram realizadas entrevistas com empreendedores, enquanto workshops “Smart Lab” foram realizados com representantes de empresas, instituições de ciência e pesquisa e desenvolvimento e administração pública para ajudar a identificar as barreiras mais críticas ao crescimento enfrentadas pelas empresas polonesas.

“Biotecnologia, novos materiais, alimentos, melhores alimentos processados ​​e até energia … você precisa investir em tecnologias, e para isso precisa de laboratórios muito bem equipados”, disse Jerzy M. Langer, chefe de um dos maiores laboratórios de pesquisa científica da Polônia,  e que foi um dos entrevistados para o relatório do Banco Mundial.

Outras necessidades, de acordo com Langer e outros entrevistados, envolveram acesso a financiamento, acesso a novos mercados, disponibilidade de pessoal qualificado, baixos níveis de trabalho em rede, disponibilidade de habilidades “leves” e atitudes em relação à inovação entre os proprietários.

relatório do Banco Mundial a respeito da Polônia foi produzido para ajudar o governo polonês a projetar um sistema de apoio à inovação que aumentaria o impacto de mais de 10 bilhões de euros que a Polônia investirá em inovação até 2020, em grande parte financiada pela União Européia.

Usar estes fundos eficientemente determinará se a Polônia mudará de copiar produtos para gerar novas idéias, algo que precisa fazer para convergir com a Europa Ocidental.

Base produtiva

A Polônia é a 8ª maior economia da União Europeia, mas o PIB per capita continua significativamente abaixo da média da UE. A base industrial do país combina os setores de carvão, têxtil, químico, maquinário, ferro e aço e expandiu-se mais recentemente para incluir fertilizantes, petroquímicos, máquinas-ferramentas, maquinário elétrico, eletrônicos, carros e construção naval. Do lado da despesa, o consumo das famílias é o principal componente do PIB e representa 60% da sua utilização total, seguida pela formação bruta de capital fixo (20%) e pela despesa pública (18%). As exportações de bens e serviços respondem por 47% do PIB, enquanto as importações representam 46%, somando 1% do PIB total.

Inovação como segredo do crescimento

Jerzy Kwieciński, vice-ministro de Desenvolvimento Econômico da Polônia / Twitter

“A inovação é um fator-chave para aumentar a competitividade de qualquer economia, mas é extremamente importante agora para a Polônia”, disse o vice-ministro de Desenvolvimento Econômico do país, Jerzy Kwieciński.

“Não podemos mais confiar na força de trabalho barata. Precisamos usar uma força de trabalho bem-educada, que temos na Polônia, para aumentar a competitividade, por meio da inovação ”, diz ele.

De forma silenciosa, a Europa está ganhando terreno nos EUA através dos esforços de seus empresários disruptivos, com muitos vendo a Europa Central e Oriental (ECO) como a região com maior probabilidade de produzir o próximo unicórnio.

A Polônia está fazendo seu jogo de poder, com uma contagem crescente de histórias de sucessos digitais, uma infra-estrutura de startup bem desenvolvida e o novo Campus Google em sua capital Varsóvia, pronto para fornecer um catalisador para inovação em toda a CEE (Europa Central e Oriental)

Recentemente, publiquei aqui matéria a respeito da sonda Curiosity, o rover que tem feito pesquisas no solo do planeta Marte.  E este rover tem  componentes do Sistema Vigo, que foi reconhecido como uma das empresas mais inovadoras da Europa, que é da companhia polonesa da região Ożarów Mazowiecki, oeste de Varsóvia.

Startups Polonesas

A Polônia já produziu uma série de  startups de sucesso de tecnologia globais, sendo a rede de aprendizado social Brainly uma delas (que inclusive tem já atuação no Brasil). A empresa reporta mais de 40 milhões de usuários únicos por mês em mais de 35 países. A Filmaster, recentemente adquirida pela Samba TV por € 1 milhão ($ 1,09 milhão), é outra.

No ano de 2015, a plataforma de reservas online de consultas médicas DocPlanner fechou uma rodada de US $ 10 milhões da Série B, elevando o financiamento total para US $ 14 milhões. Está agora operacional em 25 mercados na Europa, África e Ásia.

Estimote: beacons feitos na Polônia

Interessantes Startups de IoT (Internet of Things / Internet das Coisas) incluem Estimote e Kontakt.io baseados em Cracóvia, pioneiros da tecnologia de beacon. A Estimote deixou sua marca no setor de varejo usando beacons e tecnologia de navegação interna para fornecer uma experiência de compra off-line e on-line integrada que permite aos varejistas desenvolver uma estratégia promocional mais direcionada. Recentemente, conseguiu financiamento de US $ 10,7 milhões em uma rodada liderada pela Javelin Venture Partners.

O crescimento da atividade de tecnologia financeira viu o surgimento de startups como o VoicePin, um sistema de verificação de identidade baseado em reconhecimento de voz. Não há duas vozes completamente idênticas e o software VoicePin pode diferenciar as características únicas de uma voz de qualquer outra e, como a tecnologia funciona com o microfone integrado em um smartphone, é econômico implementá-la. Várias organizações, incluindo alguns grandes bancos na Polônia, estão usando o VoicePin em uma variedade de aplicações, incluindo varejo móvel e serviços bancários online.

Atsora é outra startup de fintech notável. Seu software é projetado para ajudar organizações de serviços financeiros a se comunicarem de forma mais eficaz com clientes de pequenas empresas. Isso inclui fornecer ajuda a clientes com planejamento de negócios e gerenciamento de fluxo de caixa e um relacionamento com o cliente mais interativo.

A start-up de tecnologia de viagens AudioTrip desenvolveu um aplicativo que transforma o smartphone de um turista em seu próprio guia pessoal local à medida que exploram novos destinos. Fundada há três anos em Bielsko-Biala, a empresa agora possui um escritório em Londres e recebeu £ 277.000 (US $ 403.000) em duas rodadas de financiamento.

O que da próxima geração de startups de tecnologia polonesas está passando? Entre as que devem ser observadas em 2016 estão a CallPage, de Cracóvia, desenvolvedora de um widget que visa aumentar em 75% o número de chamadas recebidas de visitantes do site, a KoalaMetrics, que fornece serviços de perfis psicográficos para empresas de telecomunicações e telefonia e a M-tailers para ajudá-los a entender melhor seus clientes e melhorar a experiência do cliente.

Um relatório recente da StartUp Poland lançou mais luz sobre a economia digital do país. Sua pesquisa de pouco mais de 2.400 startups revelou que 39% eram empresas de desenvolvimento de software, vendendo principalmente seus produtos como SaaS. Das startups que estavam crescendo a mais de 50% ao ano, a maioria estava fazendo isso por meio da venda de serviços móveis e de big data para grandes corporações. Mais da metade (54%) das startups polonesas estão exportando, no exterior, principalmente para os EUA e o Reino Unido.

Sessenta por cento dos empreendedores digitais da Polônia criaram suas startups e relataram ser rentáveis ​​desde o início. Outros usaram o financiamento da UE e financiamento nacional e internacional de capital de risco.

A Polônia é rica em inovação tecnológica e talento tecnológico e sua economia está razoavelmente boa em comparação com outros países europeus. Como muitos especialistas sugeriram, o foco agora deve mudar de startup para startup escalável, se quiser atrair o financiamento de crescimento.

O financiamento da UE é útil, mas a curto prazo. Embora existam fundos de capital de risco na Polônia, incluindo Protos VC, IQ Partners e Black Pearls, as empresas em crescimento precisarão ter acesso a mais fundos de investidores estrangeiros para rodadas de investimento em estágios posteriores.

Com as startups de fintech e e-commerce europeias atraindo mais capital de risco desde 2016 do que qualquer outro setor, € 12 bilhões (US $ 13,4 bilhões), segundo o European Tech Funding 2015 Report, os empresários de tecnologia da Polônia têm muito que se sentir otimista. Não falta dinheiro para investimento. Basta haver projetos.

O ímpeto de startups polonês está crescendo, atrás das potências européias como Berlim, Londres e Lisboa, e ainda para se classificar entre os 20 melhores ecossistemas de startups do mundo, segundo o relatório Startup Genome 2018, mas baseado em sua trajetória atual , tornar-se rapidamente o novo motor de crescimento da Europa.

Educação privada tomando lugar do ensino público: é o melhor caminho?

Ante o otimismo dos números até hoje, algumas análises tem alertado para as possíveis consequências no médio e longo prazos para a economia a despeito das escolhas dos últimos anos pela Polônia sobre os rumos da educação no país:  redução dos investimentos públicos nas escolas, delegando à iniciativa privada esta responsabilidade.

A formação dos poloneses das últimas décadas foi baseada no ensino público, em linha com os valores do welfare state presente na maioria absoluta dos países  escandinavos, nórdicos, bálticos e do ocidente europeu como também herdado das bases dos países do Pacto de Vársóvia da qual ela mesmo era membro. Associa-se a educação universal e pública a grande massa de poloneses com alta qualificação acadêmica e profissional que resultou naturalmente em maior produtividade desse período, de onde a Polônia tem gerado seu crescimento sólido desde o início dos anos 90. Aliás, foram essas as palavras de Kwieciński: aproveitar a mão de obra qualificada.

Livros didáticos abertos 

scolas na Polônia estão recebendo livros-texto abertos e gratuitos nas salas de aula – livros-texto que estão disponíveis on-line e podem ser facilmente adaptados, traduzidos e aprimorados por professores e alunos. JANEK SKARZYNSKI/AFP/

A Polônia foi o primeiro país do mundo a apoiar um programa nacional de livros didáticos abertos. Anos de esforços de defensores da educação aberta levaram o governo anterior a adotar duas iniciativas de livro-texto aberto, uma especificamente para os primeiros três anos de escola, a outra para a educação primária e secundária em toda a linha.

Recursos educacionais abertos (REA) como estes são materiais de ensino e aprendizado com licenças abertas que podem ser usadas livremente, melhoradas continuamente e reaproveitadas indefinidamente. Isso economiza dinheiro para as escolas e os pais e permite que os professores adaptem os livros didáticos de acordo com suas necessidades. Além disso, os currículos padrão podem ser enriquecidos com materiais locais desenvolvidos dentro da comunidade escolar por meio de projetos de alunos ou contribuições dos pais, tornando as aulas mais relevantes e interessantes para os alunos.

Em 2008, a Open Society firmou parceria com a Fundação Shuttleworth e líderes do movimento OER para o lançamento da Declaração de Educação Aberta da Cidade do Cabo, que primeiro pedia acesso público a materiais educacionais financiados com recursos públicos. Outras iniciativas, como a Declaração de REA de Paris da UNESCO em 2012 [PDF], reforçaram o apoio à estratégia de acesso público.

Após a divulgação da Declaração da Cidade do Cabo, a Open Society também apoiou a conscientização, a construção de comunidades e a defesa de direitos na Polônia e no Brasil.

Alertas para o futuro

É amplamente reconhecido que o investimento na educação é crucial para fomentar o crescimento econômico, melhorar a competitividade e a coesão social, elevar os padrões de vida e bem-estar dos cidadãos, promover a redistribuição da riqueza e proporcionar aos cidadãos as aptidões e competências de que necessitam. para lidar com as transições no mercado de trabalho e as repercussões da crise econômica.

Uma grande ameaça recentemente emergente é que, com base em restrições orçamentárias, alguns países tenderam a aumentar sua dependência do setor privado, muitas vezes justificando-o com base no pressuposto neoliberal de ganhos de qualidade e eficiência. Restrições orçamentárias têm incentivado governos e administrações em todos os níveis a buscar outras formas de financiar a educação: por exemplo, promovendo parcerias público-privadas ou ampliando os espaços paraplayers privados, comerciais e financeiros na educação. Além disso, especialmente nos países da Europa Central e Oriental, as questões de financiamento e a privatização de certos serviços / instituições de educação estão indo de mãos dadas com as reformas do sistema educacional.

Em 4 de setembro de 2017, o novo ano escolar começou na Polônia. 2017 foi o ano em que a reforma do sistema educacional entra em vigor.

Na ocasião da Mesa Redonda do ETUCE CEE, em Bucareste, de 19 a 21 de outubro de 2015, Dorota Obidniak, ZNP-Polônia, soou o o alarme das tendências de privatização da educação na Polônia. Como ela relatou, vários casos recentes de privatização levantaram a decepção dos sindicatos de professores levando a uma nova onda de protestos sindicais. Primeiro, mais de 2000 escolas públicas foram fechadas; segundo, mais de 500 escolas públicas foram transferidas pelos governos locais para partidos externos (fundações, associações, parcerias), escolas particulares espalhadas como nunca aconteceram antes e em terceiro lugar, as condições de trabalho dos professores estão se deteriorando.

O ZNP relatou como exemplo que no município rural de Hanna, perto de Lublin, na Polônia, os pais foram privados da oportunidade de matricular seus filhos em escolas públicas. A partir de 2008, todas as escolas públicas de Hanna se transformaram em uma escola particular. Essa mudança foi justificada pela necessidade de economizar. O prefeito de Hanna afirmou, de fato, que “a maior parte do gasto educacional do governo local era para os salários dos professores e despesas relacionadas – eles “consomem ” cerca de 90% do subsídio. Os professores arruinam os orçamentos locais. Essa é a verdade”. Em Leśniowice, as autoridades municipais decidiram transformar associações em escolas. Paralelamente, outras escolas públicas nas aldeias próximas foram fechadas para motivar a ida dos alunos nessas escolas privadas. No entanto, a transferência de escolas em Leśniowice não resultou em uma redução considerável do orçamento público. Como afirmou Obdniak, “o mito provou ser falso. O único resultado é que, apesar do fato de que as escolas agora são dirigidas por associações e não por autoridades públicas, sua manutenção não se tornou mais barata para o Estado ”.

As consequências para a educação de qualidade pelas experiências pelo mundo não trazem bons resultados de forma geral. A própria Estônia experimentou essa abertura e percebendo dos caminhos que estavam sendo tomados, resistiu e focou em voltar ao modelo público universal como base (sem proibir o privado e sem, inclusive, separar crianças por rendimento individual). Curiosamente, anos depois, atingiu a melhor nota no PISA da Europa nos anos de 2012 e 2015 (leia o artigo sobre a educação na Estônia aqui). Passando referências históricas como Finlândia, Alemanha e Noruega.

Resultado das notas desde 2000 (Leitura)/2003 (Matemática) / 2006 (Ciências) a 2015 da Polônia no PISA (Programme for International Student Assessment)

Os resultados já em 2015, durante esse processo de reformas já aponta um risco no médio e longo prazo nessa evolução da renovação de pessoas no mercado de trabalho. Mas pode-se avaliar como consequência das dificuldades do país no orçamento público e não já como resultado das privatizações. Se hoje a Polônia se orgulha da qualificação de alto nível de sua mão de obra, análises e previsões já começam a questionar se os resultados das transformações do ensino irão sustentar o crescimentos das últimas 3 décadas.

Há no radar o sistema sueco implantado há pouco mais de uma década , que permite escolas privadas que sejam pagas com dinheiro publico:  cada aluno recebe um voucher para escolher em que escola estudar. Esse modelo já tem sido questionado porque a Suécia simplesmente perdeu muitas posições no ranking PISA desde então.  O rendimento de matemática no PISA que era acima dos 510 pontos no PISA 2000, foi caindo gradativamente e em 2015 conquistaram pouco mais de 480 pontos.

Uma das análises feitas pela ETUCE ( European Trade Union Comitee for Education)  indica as consequências dessas mudanças com efeitos nos rendimento dos alunos. Nas escolas privadas, a Teacher’s Charter (uma cartilha de garantias e direitos do professor) não se aplica e as condições de trabalho são, portanto, piores. O salário dos professores é menor nas escolas privadas e os professores perdem seus direitos de proteção social, com efeitos deterioradores no status dos professores e na qualidade geral. Martin Romer, Diretor Europeu do ETUCE, recordou as conseqüências do aumento das privatizações na qualidade da educação “EI e ETUCE argumentam que o papel dos provedores privados no financiamento, fornecimento e gestão de instituições de ensino e / ou serviços educacionais dificulta a equidade de acesso e participação na educação”.

A análise relata que neste modelo a educação vira uma mercadoria, em vez de um bem público, e passa a descaracterizar a educação como um direito humano, que é como encaram a maioria dos países da União Européia.

Vamos, então, continuar acompanhando.

Com informações do World Bank,  Forbes, Trading Economics, Startup Poland,  Compass Startup Ecosystem, PISA

Você também pode gostar...

English EN Portuguese PT Spanish ES