Brexit: UE aceita breve adiamento para 12 de abril

A UE concedeu à Primeira Ministro Theresa May uma pequena extensão – mas o Reino Unido precisa aprovar seu acordo Brexit, apresentar um novo plano ou arriscar-se a sair do bloco.

A União Européia concordou em conceder à Grã-Bretanha um breve adiamento do Brexit, removendo a ameaça imediata de o Reino Unido deixar a UE sem um acordo na próxima semana, em 29 de março.

Os estados membros da UE estão pressionando o prazo do Brexit para 12 de abril, sem quaisquer condições, um período de tempo muito mais curto do que a data de 30 de junho que a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, inicialmente solicitou.

Essas três semanas darão a May uma terceira chance de conseguir seu acordo Brexit através do Parlamento do Reino Unido. Se o Parlamento aprovar o acordo, a UE prolongará ainda mais o prazo do Brexit – até 22 de maio – para dar ao Reino Unido tempo para aprovar a legislação interna necessária. (O Parlamento da UE também deve ratificar o acordo, embora seja esperado que seja principalmente uma formalidade.)

Mas se o Parlamento rejeitar o acordo de maio pela terceira vez, o Reino Unido sairá sem acordo em 12 de abril ou terá que propor uma abordagem alternativa antes dessa data de 12 de abril.

Se o Reino Unido de alguma forma apresentar um novo plano, a UE diz que vai ter uma extensão maior, mas exigirá que o Reino Unido participe das eleições parlamentares europeias, que começam em 23 de maio. E essa nova estratégia terá que ser mais de um segundo referendo ou Brexit mais suave, não uma quarta votação sobre o acordo.

A decisão da UE de adiar o Brexit – apenas oito dias antes do prazo final de 29 de março – veio depois de horas de deliberações na Cúpula do Conselho Europeu em Bruxelas, que se estendeu até tarde da noite. Alguns líderes da UE, incluindo o francês Emmanuel Macron, deixaram clara sua extrema irritação com a paralisia política no Reino Unido e seu desejo de que a UE adote uma posição mais dura em relação ao pedido de maio.

Mas os líderes da UE chegaram a esse compromisso. Eles chegaram na data de 12 de abril porque essa é a semana em que o Reino Unido precisará dizer à UE se colocará candidatos para as eleições parlamentares européias. Se o Reino Unido não quiser fazer isso – e provavelmente não há uma maioria no Parlamento do Reino Unido que o apoie -, então o Reino Unido precisa sair da UE, tenha ou não um acordo em vigor.

O novo prazo evita o desastre iminente de um Brexit sem compromisso, mas não o elimina. Alguns observadores políticos acham que isso pode torná-lo ainda mais provável – dadas as perspectivas longínquas do acordo de maio sobre o Brexit de maio e a incapacidade do Parlamento de encontrar uma maioria para qualquer outra coisa.

Assim, a UE concedeu ao Reino Unido um alívio temporário, mas a sua mensagem foi bastante clara: passar o único acordo em oferta ou preparar-se para terminar com a UE de mãos vazias.

Agora, cabe ao Reino Unido evitar um cenário de não negociação
O primeiro-ministro May fez uma breve declaração depois de concordar com a prorrogação do prazo final da UE para o Brexit, um dia depois de enfurecer os membros do Parlamento, culpando-os pelo impasse do Brexit.

May tentou fazer um tom mais apologético em seu discurso de quinta-feira, dizendo que “na noite passada ela expressou sua frustração” e que ela sabe que “os parlamentares também estão frustrados”.

“Espero que todos possamos concordar que estamos agora no momento da decisão”, disse May em Bruxelas, “e farei todos os esforços para garantir que possamos sair com um acordo e levar o nosso país adiante”.

Mas seus pontos de discussão eram basicamente os mesmos que sempre foram: passar meu negócio agora ou sair da UE sem um acordo.

Uma petição para o governo do Reino Unido revogar o Artigo 50 – que efetivamente cancelaria o Brexit – já conquistou 3 milhões de votos no país. Mas quando perguntada por repórteres se ela consideraria tomar essa medida para evitar um desastre catastrófico se seu acordo com o Brexit falhasse uma terceira vez, May insistiu que ela não o faria. “Vamos deixar a União Européia”, disse ela.

O drama de Brexit agora voltará para Westminster, onde se espera que May tente colocar seu acordo Brexit em terceiro lugar. O parlamento rejeitou seu plano Brexit por 230 votos em janeiro e por 150 votos na semana passada. É uma margem enorme para compensar, e ainda parece muito provável que o Parlamento derrote a proposta mais uma vez.

Os membros do Parlamento provavelmente também tentarão controlar e impulsionar diferentes planos Brexit – um Brexit mais brando, um segundo referendo ou qualquer outra série de idéias. Mas se qualquer plano alternativo pode obter o apoio da maioria dos parlamentares e romper o impasse do Brexit é a questão perene na política britânica. E a resposta, até agora, foi um retumbante não.

Assim, o Reino Unido não deixará a UE em 29 de março sem um acordo. Mas o dia 12 de abril é agora o duro prazo da Brexit. O Reino Unido tem três semanas para concordar com um plano ou se preparar para as consequências do não-acordo.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

English EN Portuguese PT Spanish ES