Google é multado em cerca de US$ 1,7 bi por práticas de publicidade que violaram as leis européias antitruste

O Google foi multado em US $ 1,7 bilhão na quarta-feira pela União Européia por frustrar os rivais de publicidade, marcando uma terceira repreensão do gigante da tecnologia pelo chefe antitruste da UE – e que mal poderia chegar a um momento politicamente mais sensível internamente.

A multa mais recente eleva o total que o Google recebeu para pagar US $ 9,4 bilhões em uma série de investigações antitruste da UE na última década que apontam para o popular software da subsidiária Alphabet para telefones Android e para pesquisas relacionadas a compras.

Em julho, a União Européia multou a empresa em 4,3 bilhões de euros (US $ 4,92 bilhões) e exigiu que ela alterasse a maneira como ela coloca aplicativos de busca e navegação em dispositivos móveis Android.

Um ano antes, o Google recebeu uma penalidade recorde de 2,4 bilhões de euros (2,74 bilhões de dólares) depois que os reguladores acusaram-no de distorcer os resultados para frustrar os serviços menores de busca de compras.

À medida que os reguladores europeus têm procurado reprimir a percepção de ultrapassagens por parte das empresas de tecnologia dos EUA, políticos norteamericanos também vêm aumentando suas críticas.

A multa de quarta-feira resultou da função do Google como um intermediário de anúncios para websites, visando acordos de exclusividade para anúncios on-line com seu produto do AdSense para pesquisas. Esse serviço coloca publicidade de texto em sites. Os contratos problemáticos foram todos eliminados até 2016, quando a UE intensificou a investigação. Como condição para usar o serviço, o Google exigiu que terceiros priorizassem seus próprios anunciantes em detrimento dos rivais.

Por exemplo, a comissão descobriu que o Google restringiu a exibição de anunciantes de serviços rivais em alguns casos em alguns casos. Outras vezes, os terceiros precisavam reservar uma vaga premium para os anunciantes do Google, além de permitir que a empresa alterasse a maneira como os anúncios dos rivais eram exibidos.

Estas são algumas das muitas restrições aos clientes do Google AdSense que levaram a Comissão Europeia a concluir, em uma queixa inicial apresentada em 2016, que o Google agiu de forma anti-competitiva. As autoridades da UE reconheceram na época que o Google havia mudado seus contratos com o Google AdSense para permitir “mais liberdade para exibir anúncios de busca concorrentes”.

O Google é de longe o maior corretor de publicidade na Internet, configurando buscas em sites de clientes, e isso permite controlar como a maioria dos consumidores começa a comprar, disse Margrethe Vestager, o agressivo regulador antitruste da UE.

Com informações do LA Times, The Guardian e Washington Post

Você também pode gostar...

English EN Portuguese PT Spanish ES