Suécia evitou o lockdown, aumentou o número de mortos mas não diminuiu as perdas econômicas

18 de maio de 2020

Embora a Suécia tenha optado por evitar um bloqueio oficial, mantendo abertos os bares e restaurantes – e sofrendo um número maior de mortes do que nos países vizinhos – é improvável que o país evite as conseqüências econômicas da pandemia de coronavírus, segundo analistas ao Financial Times.

A Suécia registrou mais de 3.500 mortes pelo coronavírus. Esse número empalidece em comparação com as dezenas de milhares de mortes nos EUA, mas a população menor da Suécia, com pouco mais de 10 milhões, torna a taxa de mortalidade do país uma das mais altas.

Total de Mortes por COVID-19 nos Países: Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlância até 15 de maio de 2020.

Embora as empresas na Suécia, como a fabricante de automóveis Volvo, tenham sido duramente atingidas por suas cadeias globais de fornecimento, o impacto econômico da pandemia na Suécia, com seu robusto sistema de assistência social, provavelmente parecerá diferente de países como os EUA.

O epidemiologista-chefe da Suécia, Anders Tegnell, disse na semana passada que não antecipou a alta taxa de mortalidade.

“Nós realmente nunca calculamos com um alto número de mortos inicialmente, devo dizer”, disse ele. “Calculamos que mais pessoas estavam doentes, mas o número de mortos realmente nos surpreendeu”.

Mortes em vão

No entanto, dados divulgados pelo banco central do país e por um dos principais think tanks suecos mostram que a economia será tão afetada quanto seus vizinhos europeus, se não pior.

O banco central da Suécia, o Riksbank, forneceu dois cenários possíveis para as perspectivas econômicas em 2020, que disseram “dependem de quanto tempo a propagação da infecção continua e de quanto tempo as restrições implementadas para desacelerá-la estão em vigor”. Ambos os possíveis resultados econômicos são sombrios.

No primeiro cenário (cenário A no gráfico abaixo), o produto interno bruto contrai 6,9% em 2020, antes de se recuperar para crescer 4,6% em 2021. Em uma previsão mais negativa (cenário B), o PIB poderia contrair 9,7% e uma recuperação poderia ser mais lento, com a economia crescendo 1,7% em 2021.

Tabela 1. Cenário A

  2019 2020 2021 2022
CPIF 1.7 0.6 1.5 1.6
PIB, calendário ajustado 1.3 −6.9 4.6 5.0
Desemprego 6.8 8.8 9.0 8.2

Nota: Porcentagem anual da mudança, média anual
Fonte: Statistics Sweden and the Riksbank

 

Tabela 2. Cenário B

  2019 2020 2021 2022
CPIF 1.7 0.6 1.3 1.4
PIB, ccalendário ajustado 1.3 −9.7 1.7 5.4
Desemprego 6.8 10.1 10.4 9.3

Nota: Porcentagem anual da mudança, média anual
Fonte: Statistics Sweden and the Riksbank

Desemprego

No primeiro cenário, o Riksbank previa que o desemprego poderia atingir 8,8% em 2020, ante 7,2% atualmente, e na pior das hipóteses poderia atingir 10,1%.

“Nos dois cenários, a produção diminui acentuadamente no início e mais do que durante a crise financeira. A queda acentuada dos preços do petróleo e da eletricidade contribuirá para a inflação baixa este ano ”, afirmou o Riksbank. Ele prevê que a taxa de inflação fique em 0,6% em 2020, nos dois cenários.

As projeções de crescimento são preocupantes para um país que procurou mitigar o impacto econômico do coronavírus ao não encerrar sua economia como o resto da Europa. Os bloqueios na Alemanha, Espanha, Itália, França e Reino Unido, com o objetivo de salvar inúmeras vidas, atingiram severamente suas economias.

O Fundo Monetário Internacional previu no início de abril que a Alemanha e o Reino Unido verão suas economias contrairem 6,5% e 7% este ano, respectivamente. Espera-se que a França tenha uma contração de 7,2%, a Espanha uma contração de 8% e a Itália veja sua economia encolher 9,1%.

Os vizinhos da Suécia, Finlândia e Dinamarca, que também impuseram bloqueios, também deverão ver suas economias contrairem 6% e 6,5%, respectivamente.

Estratégia controversa

O governo sueco aconselhou os cidadãos a ficar e trabalhar em casa, se possível. Bares e restaurantes permanecem abertos, mas medidas de distanciamento social foram implementadas, enquanto escolas para menores de 16 anos permanecem abertas.

A estratégia se mostrou muito controversa, mas seu principal epidemiologista defendeu a abordagem, dizendo à CNBC em 22 de abril que a capital Estocolmo poderia estar caminhando para a “imunidade do rebanho” em semanas. Quase um mês depois e isso ainda está longe de acontecer.

Ainda assim, as cadeias de suprimentos e os negócios da Suécia foram prejudicados pela pandemia e o Riksbank alertou que “muitas empresas serão duramente atingidas e muitas perderão seus empregos”, embora tenha decidido manter sua taxa básica de juros em zero nesta semana.

Ele também decidiu não adotar novas medidas para apoiar a economia (já introduziu um pacote de empréstimos para empresas suecas e aumentou seu programa de compra de títulos), mas disse que estava pronto para fazer mais, se necessário.

“Neste momento, não foi justificado tentar aumentar a demanda, diminuindo a taxa de recompra quando a desaceleração da economia se deve a restrições impostas e às preocupações das pessoas com a propagação da infecção”, afirmou o Riksbank em comunicado na última semana de abril.

“No entanto, isso não descarta a possibilidade de a taxa de juros ser cortada posteriormente, se for considerada uma medida eficaz para estimular a demanda e apoiar o desenvolvimento da inflação na fase de recuperação”.

Os dados sombrios do banco central da Suécia foram reforçados por um respeitado think tank nesta semana. O Instituto Nacional de Pesquisa Econômica (NIER) disse em comunicado quarta-feira que acredita que a economia da Suécia deve encolher 7% este ano e o desemprego suba para 10,2%.

“Os desenvolvimentos em abril indicam que a pandemia do Covid-19 atingirá a economia sueca com muito mais força do que o previsto”, disse o NIER, acrescentando que “a economia global está se desenvolvendo pior do que o esperado, atingindo as empresas de exportação suecas, que também são prejudicadas por problemas com a cadeias de suprimentos internacionais. ”

Com informações:

The National Institute for Economic Research (NIER): Uppdatering av konjunkturbilden

Financial Times: Sweden unlikely to feel economic benefit of no-lockdown approach 

CNBC: Sweden resisted a lockdown, and its capital Stockholm is expected to reach “herd immunity” in weeks

Sverige RisksBank: The Riksbank is supporting an economy in crisis

Você também pode gostar...

English EN Portuguese PT Spanish ES