FMI: Uma crise como nenhuma outra, uma recuperação incerta

29 de junho de 2020

O crescimento global é projetado em -4,9% em 2020, 1,9 ponto percentual abaixo da previsão do World Economic Outlook (WEO) de abril de 2020. A pandemia do COVID-19 teve um impacto mais negativo na atividade no primeiro semestre de 2020 do que o previsto, e a recuperação é projetada para ser mais gradual do que o previsto anteriormente. Em 2021, o crescimento global é projetado em 5,4%. No geral, isso deixaria o PIB de 2021 cerca de 6,5 pontos percentuais mais baixo do que nas projeções anteriores ao COVID-19 de janeiro de 2020. O impacto adverso nas famílias de baixa renda é particularmente agudo, comprometendo o progresso significativo feito na redução da pobreza extrema no mundo desde os anos 90.

Assim como nas projeções da WEO de abril de 2020, há um grau de incerteza acima do normal em torno dessa previsão. A projeção da linha de base baseia-se em suposições importantes sobre as consequências da pandemia. Nas economias com taxas de infecção em declínio, o caminho mais lento de recuperação na previsão atualizada reflete um distanciamento social persistente no segundo semestre de 2020; maior cicatrização (dano ao potencial de suprimento) do impacto maior que o esperado à atividade durante o bloqueio no primeiro e no segundo trimestres de 2020; e um impacto na produtividade à medida que as empresas sobreviventes aumentam as práticas necessárias de segurança e higiene no local de trabalho. Para as economias que lutam para controlar as taxas de infecção, um bloqueio mais longo infligirá um custo adicional à atividade. Além disso, a previsão pressupõe que as condições financeiras – que diminuíram após o lançamento do WEO de abril de 2020 – permanecerão amplamente nos níveis atuais. Resultados alternativos aos da linha de base são claramente possíveis, e não apenas por causa da evolução da pandemia. A extensão da recente recuperação do sentimento do mercado financeiro parece desconectada das mudanças nas perspectivas econômicas subjacentes – como discutido na Atualização do Relatório Global de Estabilidade Financeira (GFSR) de junho de 2020 -, aumentando a possibilidade de que as condições financeiras possam apertar mais do que o assumido na linha de base.

Todos os países – incluindo aqueles que aparentemente passaram picos de infecções – devem garantir que seus sistemas de saúde tenham recursos adequados. A comunidade internacional deve intensificar enormemente seu apoio a iniciativas nacionais, inclusive por meio de assistência financeira a países com capacidade limitada de assistência à saúde e canalização de financiamento para a produção de vacinas à medida que os estudos avançam, para que doses adequadas e acessíveis sejam rapidamente disponibilizadas a todos os países. Nos casos em que são necessários bloqueios, a política econômica deve continuar atenuando as perdas de renda das famílias com medidas consideráveis ​​e bem direcionadas, além de fornecer apoio às empresas que sofrem as consequências de restrições impostas à atividade. Onde as economias estão reabrindo, o apoio direcionado deve ser gradualmente desfeito à medida que a recuperação se inicia, e as políticas devem fornecer estímulos para elevar a demanda e facilitar e incentivar a realocação de recursos de setores que possam emergir persistentemente menores após a pandemia.

A forte cooperação multilateral permanece essencial em múltiplas frentes. A assistência de liquidez é urgentemente necessária para os países que enfrentam crises de saúde e déficits de financiamento externo, inclusive por meio de alívio da dívida e financiamento por meio da rede global de segurança financeira. Além da pandemia, os formuladores de políticas devem cooperar para resolver as tensões comerciais e tecnológicas que põem em risco uma eventual recuperação da crise do COVID-19. Além disso, com base na queda recorde nas emissões de gases de efeito estufa durante a pandemia, os formuladores de políticas devem implementar seus compromissos de mitigação das mudanças climáticas e trabalhar juntos para aumentar a tributação de carbono projetada de forma equitativa ou esquemas equivalentes. A comunidade global deve agir agora para evitar uma repetição dessa catástrofe, construindo estoques globais de suprimentos essenciais e equipamentos de proteção, financiando pesquisas e apoiando sistemas de saúde pública e implementando modalidades eficazes para prestar socorro aos mais necessitados.

Brasil

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro vai ser duramente afetado pelos impactos provocados pela pandemia de coronavírus e deve recuar 9,1% neste ano, segundo a nova projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgada nesta quarta-feira (24). Para 2021 há a expectativa de crescimento de 3,6%, algo que nem de perto foi alcançado nos últimos anos.

Além disso, o FMI estima que a dívida bruta brasileira vai alcançar 102,3% do PIB neste ano, recuando para 100,6% do PIB em 2021. Nos últimos anos, a questão fiscal tem sido o principal entrave da economia brasileira. O tamanho do endividamento brasileiro é considerado alto para um país ainda emergente.

World Economic Outlook, June 2020, Growth Projections table

Fonte: IMF: A Crisis Like No Other, An Uncertain Recovery

Você também pode gostar...

English EN Portuguese PT Spanish ES